Nas Asas do Amanhã (Wings of Glory #3) - Sarah Sundin Este é o terceiro e último livro da trilogia Nas Asas da Glória da autora norte-americana Sarah Sundin. O primeiro livro, Nas Asas do Amor, tinha sido uma bela surpresa enquanto o segundo foi algo que não estava à espera. Não foi exactamente um desastre, mas foi uma desilusão, tendo em conta as expectativas que eu tinha para essa leitura. Por isso, reservava algumas esperanças para este último livro, aquele que iria encerrar não só a trilogia mas também a Guerra. Já o disse noutras opiniões da autora e volto a dizê-lo. Gosto bastante da escrita dela, é fluída e muito agradável. Contudo, por este livro pertencer a um género muito específico intitulado "christian fiction", para quem não sabe são romances que têm como mote a religião, não poderá agradar a gregos e a troianos. Não gostei tanto do segundo livro precisamente porque pareceu-me que a autora arranjou na religião uma justificação para todas as atitudes dos seus personagens. Até justifica a ignorância. E com isso, eu não posso concordar. Contudo, este livro revela ser melhor nesse aspecto. Não existiu acessos de fanatismo religioso e acessos de estupidez crónica justificadas pelo costumeiro "estou a fazer isto pelo Senhor". Por isso mesmo, acho que este livro foi mais acessível e bem mais agradável. O primogénito dos irmãos Novak revelou-se ser talvez o mais equilibrado e ponderado e isso ajudou a criar mais empatia com a personagem. Já Helen também mostrou ser uma personagem com alguma garra. Ao contrário de Ruth que me testou a paciência algumas vezes, Helen mostra ser uma mulher com mais cabeça e mais sagaz. Lutou contra os seus demónios sozinha e não se manteve no papel de vítima por muito tempo. Gostei dela e admirei-a pela sua luta e pela sua determinação. Apesar de por vezes o caminho ter parecido incerto, ela manteve-se firmes e teve várias atitudes que me agradaram. Em termos de pesquisa e descrições de guerra talvez tenha sido este o melhor livro, para mim. Gostei imenso de ver a parte final daquele que foi um dos maiores conflitos mundiais e este Nas Asas do Amanhã trouxe descrições diferentes dos livros anteriores. Mostrou alguma realidade em território alemão e apesar de ter sido breve, foi nesse aspecto enriquecedor. É de notar que a autora fez uma pesquisa incrivelmente expansiva sobre o assunto e creio que ela consegue passar isso muito bem para o livro e para a sua narrativa. Gostei de ler esta trilogia por trazer a perspectiva americana na segunda Guerra Mundial e creio que não há melhor ler um livro que foi construído com base numa pesquisa vasta e profunda. A própria autora parece fascinada com a temática e esse fascínio está sempre patente nos seus livros. A meu ver, apenas ficou a faltar explorar um pouco mais o conflito no Pacífico e o lado do conflito com os Japoneses. Teria sido extremamente interessante ler sobre o assunto. O romance entre Ray e Helen foi muito querido e bastante encorajador no sentido em que é bom ver que todos nós merecemos uma segunda oportunidade na vida. Foi inspirador nesse sentido por achar que estas duas personagens tão cheias de carácter mereciam realmente ser felizes na vida e ter todo o sucesso que pudessem alcançar. Estavam sedentos de justiça e gostei de ver o desenvolvimento romântico deste casal. A autora levanta problemáticas interessantes sendo que a violência (doméstica) é uma delas. Gostei igualmente de a ver lidar com este tema. No entanto, confesso que apesar deste livro ter sido melhor nada substitui a boa surpresa que foi o primeiro livro da trilogia. Acho que dentro dos três, esse foi realmente O livro. Os que lhe seguiram acabaram por deixar um gosto amargo na boca e apesar de não me ter arrependido de os ler, acabaram por não suplantar as minhas expectativas. aqui