Sonhos Proibidos - Lesley Pearse Annie's Place é um bordel situado num dos bairros mais pobres de Londes, Seven Dials. Nesta vizinhança, ninguém se preocupa com ninguém, embora exista um certo sentido de lealdade dentro da própria comunidade contra forasteiros indesejados. As pessoas que aqui vivem não tem muitas posses e não vivem desafogadamente. Foi nesta realidade em que Belle foi criada. Esta nasceu no Annie's Place e a sua mãe, Annie, deixou-a aos cuidados da governanta e amiga, Mog. Mog sempre foi a mãe de Belle, em todos os sentidos que interessam e Belle cedo se revela ser uma criança inteligente, embora ingénua contrariando a ideia de que por ter nascido e ter sido criada num bordel, conheceria melhor que ninguém, o mundo da prostituição e a devassidão que geralmente descreve esta realidade.De facto, é exactamente o contrário. A mãe de Belle sempre teve regras bem definidas e Belle passou pela sua infância sem nunca perceber que tipo de negócio a sua mãe geria ou o que se passava nos andares superiores do Annie's Place. Até ao dia em que, por um mero acaso, assiste ao assassínio de uma das raparigas que trabalhava para Annie. O perpetrador do crime viu-a quando Belle fez a sua fuga desesperada e esta mais tarde acaba por ser raptada pelo mesmo homem, que a vende para um bordel francês. Belle vê a sua vida simples e ingénua virar-se de pernas para o ar e vê-se iniciada - contra a sua vontade - no mundo da prostituição que a leva inclusive para outro continente, a América. Belle sabe que não tem nenhum verdadeiro amigo, a não ser Etiénne que foi o homem que a levou para a América. Mas mesmo este, não pode fazer muito para retornar Belle à sua família. Assim, sonhando com a vida que deixou para trás, recordando o seu amigo especial Jimmy e Mog, Belle fez de tudo para se libertar das amarras que o mundo da prostituição representa para ela, tentando sobreviver o melhor que pode.A autora Lesley Pearse conta com 6 livros publicados em Portugal, até ao momento (incluindo este Sonhos Proibidos). Destas 6 obras, li 5, sendo que a única que me falta ler é Nunca Digas Adeus. Tenho para mim que já conheço bem o estilo desta autora e sei, dentro de alguns parâmetros, aquilo que posso esperar dos livros dela. Apesar de ela também escrever romances contemporâneos, como é exemplo a obra Procuro-te e o Nunca Digas Adeus, nota-se os romances históricos são o seu forte. As suas obras focam-se particularmente em Inglaterra e Estados Unidos da América. Uma das características que mais admiro nesta autora prende-se exactamente com o conhecimento que ela tem da história dos Estados Unidos. Nos seus livros, é sempre notável o quanto ela conhece da história desta nação, seja esse conhecimento sobre o período colonial, a Depressão, ou as grandes imigrações para a América. A sua pesquisa histórica é um elemento muitíssimo importante nos seus romances históricos e por essa prisma, posso dizer que os livros dela sempre me fascinaram, por serem tão ricos em informação que é inserida no enredo do livro de uma forma tão natural.Apesar da maior parte dos livros da autora serem grandes e com um número de páginas superior à média, a sua escrita fluída ajuda a que a leitura seja feita de uma forma rápida. Digo-o com a maior convicção, já que cada vez que pegava neste livro quando dava por mim já tinha lido mais de 150 páginas sem sequer me aperceber. Em obras com esta dimensão, ajuda a que a escrita seja dinâmica e agradável, de modo a que o leitor consiga aproveitar a viagem sem dar pelas páginas a passarem. Em termos de história, este livro não sai da norma. Conta a jornada de uma personagem feminina que passa por muito drama na sua vida e que tenta encontrar um espaço onde possa ser si mesma. Como é óbvio, a autora foca-se no domínio da prostituição e confesso que foi uma temática que por vezes me incomodou. Mas acredito que parte das palavras da autora traduzam muito bem a realidade. É um tema especialmente forte quando se tem em conta que Belle é apenas uma criança quando se vê apanhada nesta rede. Esta é uma obra muito completa recheada de descrições, reviravoltas e aprendizagem. Gostei da Belle, mas tenho que admitir que me irritou constantemente aquela ingenuidade. Mesmo depois de ter confiado nas pessoas erradas mil e uma vezes, voltava a fazer a mesma à primeira oportunidade. Uh, que seca. Contudo, gostei bastante dos relatos da investigação de Noah e Jimmy, estavam muito bem narrados e foram todos muito interessantes. Em opiniões anteriores era normal referir-me ao nível exagerado de drama nos romances da autora. A verdade é que o drama é a imagem de marca desta autora, com justificação no seu passado difícil. Tenho a sensação que ela gosta de fazer passar para as suas obras a luta que ela própria teve de travar para subir na vida. O drama está presente neste livro como seria de esperar mas ao contrário do que aconteceu nos restantes livros da autora, creio que aqui o drama é legítimo. Ou melhor, o nível de drama é mais que justificado e uma história deste foro, pede esta dose de sofrimento. Em suma, é uma obra desafiadora e que convida a uma leitura dedicada. Gostei muito do leque de personagens e da forma como o enredo se desenvolveu. Algumas reviravoltas são inesperadas, outras não, mas todas elas dão movimento e vida à história. Gostei bastante do leque de personagens e tenho que admitir que este livro acabou por se revelar um dos meus preferidos da autora, dentro de todos os que já li. Além disso, estou muito curiosa para ler a sequela, que se irá intitular A Promessa e vai continuar a jornada de Belle na primeira Guerra Mundial. aqui