O Monte dos Vendavais - Emily Brontë Outro clássico que me apanhou desprevenida e me surpreendeu desde o início. Gostei de tudo. Para já, quero salientar a escrita da Emily Brontë que foi uma surpresa agradável. Adorei as palavras dela. Senti-me transportada para o mundo que ela descreveu com uma clareza incrível. As paisagens (nem sempre lindas) e as personagens que ela nos apresenta permitiram-me uma leitura atenta de que realmente desfrutei.Eu tento ir para a leitura de um livro livre de qualquer expectativa. O que é muito raro acontecer, confesso. Este livro foi um dos que não consegui manter-me neutra.Já tinha ouvido, lido as mais variadas opiniões sobre este O Monte dos Vendavais e fui ficando com curiosidade para pegar no livro e sem saber o que esperar. Poderia ter acontecido mais cedo, a ocasião de lhe pegar, contudo considero que foi a altura ideal e que não poderia ter aproveitado melhor esta leitura. Um dos pormenores que mais gostei no livro, foi a maneira como a autora nos apresentou de forma brutalmente honesta, o ser-humano e o seu carácter. Nem tudo na vida é um conto de fadas e esse livro mostra isso. Na vida, temos todos o tipo de situações e pessoas – quer sejam elas más, boas, etc. É de certa forma refrescante ler sobre pessoas que são más, cruéis, egoístas. O Heathcliff, personagem principal deste romance é isso tudo e muito mais. Conhecemos o percurso que a vida dele tomou, pela parte de uma governanta, Nellis Dean, que é quem nos conta a sua vida. Os seus relatos trouxeram todo o tipo de emoções. Senti-me chateada, frustrada, benevolente e até ocasionalmente, com pena. O misto de emoções é todo muito intenso. Cheguei a odiar personagens num extremo, adorá-las noutro. Outros que me causaram indiferença, como por exemplo o Joseph.É uma história muito intensa, com o seu quê de mistério. Certamente não esperava o desfecho que ele teve, mas não posso deixar de pensar que é o mais adequado. Falar sobre a natureza humana nunca é fácil. Falar sobre o bem e o mal, igualmente. Tenho sempre a tendência para pensar – “porque é que isto é mau? Quem o classifica como tal?” e o mesmo faço para o conceito de “bem”. A autora trabalhou tão bem esse tema que fiquei incrédula. Fez-me realmente reflectir sobre o que é leva as pessoas a terem determinadas acções e além disso, mostrou-me como é que uma pessoa pode tão depressa ser “boa” como pode ser “má”. Fiquei muito admirada com esta obra. Uma leitura fantástica.