O Medo do Homem Sábio (A Crónica do Regicida, Livro 2 - Parte 1) - Patrick Rothfuss,  Renato Carreira O Medo do Homem Sábio - Parte I é a primeira metade do segundo volume que integra a trilogia Crónicas do Regicida. O livro foi dividido em duas partes devido à sua extensão que mete respeito. Juntando as duas partes, este segundo volume conta com 1387 páginas, o que não é pouco. Tenho que concordar com esta decisão, embora normalmente abomine estas divisões por achar que não faz sentido dividir ao meio uma obra que é suposto ser lida como apenas uma. Mas estes livros são enormes, pesados... não são propriamente fáceis de transportar, por isso a divisão é uma decisão estratégica ajuizada, a meu ver.E falando sobre o livro propriamente dito, depois daquela que foi uma estreia maravilhosa com o livro O Nome do Vento, as minhas expectativas não se podiam encontrar mais elevadas. Ansiava verdadeiramente para conhecer melhor esta personagem misteriosa e tão complexa que é Kvothe, homem de muitas caras. Mas não ansiava apenas conhecer mais dele, mas sim de todos aqueles que o rodeiam nas suas aventuras.A estrutura do livro continua igual - vamos tendo flashbacks sucessivos da vida de Kvothe e o Cronista vai apontando o relato com uma dedicação e entusiasmo sem igual. A escrita do autor continua igualmente cativante. Havia dito no primeiro volume que o autor escreve de uma forma maravilhosa, com várias histórias entrelaçadas noutras e a forma como o faz é tão intuitiva que é impossível não nos sentirmos bem-vindos a este universo fantástico. Contudo, apesar de na minha opinião a escrita do autor continuar ao mesmo nível, a narrativa foi um pouco mais lenta e não tão dinâmica. A história demorou a avançar e tendo em conta que isto foi apenas a primeira parte, senti-me por vezes receosa que o livro não ganhasse ritmo.Felizmente, tal não aconteceu e o enredo ganhou ânimo do meio para a frente, o que ajudou a uma leitura bem mais rápida, feita com muito mais entusiasmo.Nesta primeira parte do livro a fantasia a que tivemos direito ver no primeiro volume foi neste inexistente. O autor concentrou-se mais na educação do nosso herói e também mais no romance do que propriamente na acção ou mesmo mistério. Digamos que esta parte pode ser considerada como sendo a construção dos pilares da história. Veio preparar as bases e a partir de agora poderemos ver mais movimento e mais acção (suponho eu).O que mais gostei neste volume foi tudo o que teve que ver com a aprendizagem de Kvothe na Universidade, adoro aquele espaço, a forma como o autor o construiu e não me importava de visitar um Arquivo como este que existe na Comunidade. Parece o sítio perfeito para me perder por dias, semanas, anos.Embora esta primeira metade não se tenha revelado tão perfeita como estava à espera, adorei a oportunidade de continuar a seguir as memórias de Kvothe e é exactamente por isso que se segue a leitura da segunda metade, para não perder a embalagem.Kvothe e companhia prometem ainda muitas emoções e expectativas elevadas à parte, foi uma leitura que me agradou por me mostrar como é belo o mundo das histórias.